sexta-feira, 29 de abril de 2016

Olhos nos Olhos de Gisele D. Angelo

Editora: All Print
Ano: 2012 
Páginas: 383
Gênero: Romance
Classificação: 

Sophia acorda atordoada, e mecanicamente fazendo as coisas, descobre que não é humana, que veio à Terra em uma missão com suas duas companheiras de jornada e também imortais, Duda e Angelina.

Ao lembrar-se de seu nobre propósito, vai convivendo mais e mais com os humanos, e aprendendo que cria laços com as pessoas queridas que convive, e que pode disseminar o emprego de boas energias para que a vida possa fluir de maneira mais harmônica.

Sua especialidade no Empório Energia Vithal é o emprego dos florais de Bach nas diversas situações que a vida coloca à nossa frente, mas como os pensamentos das três estão intimamente ligados, ela sabe também através da intuição das irmãs qual o melhor cristal, incenso, óleo essencial ou sal de banho que deve ser agregado para que as pessoas possam clarear suas mentes e ter mais sabedoria diante das mais diversas formas de vivenciar sensações e crescer através das experiências.

Como na vida de cada um de nós, ela compartilha com as pessoas que a procuram suas aflições, seus medos, alegrias e aventuras, e percebe que a grande maravilha na vida dos seres humanos é o dia-a-dia, e as experiências que eles podem proporcionar, fazendo com que fiquemos a cada dia melhor.

Pontuado de momentos de comédia e bom humor, ela interage com os seres humanos, e percebe que está aqui na Terra disseminando sua missão, mas também aprendendo muito em cada uma das situações que a vida lhe coloca.

Mostrando que todas as emoções fazem parte de nossa vida, mas que nossa escolha do que fazer com elas é que determina nossa plenitude, ela dá dicas úteis para que nossa energia e mente possam clarear-se a cada instante mais e mais.

Inspira que os humanos se olhem nos olhos e também se olhem para dentro, e percebe que o amor faz parte desta maravilhosa experiência que é a vida aqui na Terra.

Permita-se entrar nesse mundo de fantasias, e deixar sua alma ouvir o chamado. Mergulhe na magia da ilha em que ela vive, e viaje pelo mundo afora tendo a sensibilidade como companheira.

Experimente em si cada uma das sensações que Sophia lhe propicia, e sinta-se com a alma leve e o coração alegre ao fim de sua leitura...
Se você quer saber mais sobre como a Terapia Floral e outras terapias naturistas podem lhe ajudar, e quer inspirar os seus dias, esse é o seu livro...



E eis que nossa leitora convidada aparece por aqui. Resenha hoje da querida mamy do livro que recebemos em parceria com a autora Gisele: Olhos nos Olhos. Não deixem de conferir.

No livro Olhos nos Olhos a história inicia quando três anjos descem a terra para ajudar os mortais em suas aflições, seus medos e também suas alegrias.

No entanto quando Angelina, Duda, e Sophia começam a ajudar as pessoas sentem-se envolvidas com os laços que criam e, por incrível que pareça acabam também aprendendo muito nas situações nas quais se envolvem. 

No decorrer das histórias onde envolvem-se para  ajudar, as três vão dando dicas úteis para que nossa energia e mente mantenham-se sempre com uma vibração positiva, trazendo também muito humor para o leitor sentir-se alegre durante a leitura.

Um livro maravilhoso onde a gente sente grande energia positiva durante a leitura e, aprende muito sobre terapia floral e outras terapias naturalistas.

Recomendo a todos.

Mais informações: http://www.giseledangelo.com.br/



quarta-feira, 27 de abril de 2016

CineKriativa - Victor Frankenstein

Bom dia pessoal, tudo bem? Aqui escreve o Marcelo, e quero contar para vocês hoje as minhas impressões do filme “Victor Frankenstein”. Para quem não ficou sabendo ainda (helloooo, Terra chamando!), há uma nova releitura da clássica história do monstro formado por partes de corpos diferentes e um pouquinho de eletricidade. Essa nova visão apresenta James Mcvoy como o Dr. Victor Frankenstein, um acadêmico de medicina que possui o grande sonho de criar vida após a morte!


Temos também o eterno Harry Potter, Daniel Radcliffe (pra mim é difícil não associá-lo ao bruxinho) no papel do ajudante Igor, que tem um “background” muito interessante. Um jovem palhaço de circo com problema nas costas, que sempre foi um pobre coitado, mas no fundo alguém muito inteligente e com uma paixão por anatomia e fisiologia. Um dia, um acidente no circo revela suas habilidades aos espectadores, e entre eles estava o Dr. Frankenstein. Ao ver as habilidades do rapaz, Victor o leva para sua casa, e o batiza de Igor. A partir daquele momento os dois formam uma grande parceria em prol da ciência.

Não perturbe, gênios trabalhando!

Acho essa história fantástica por todos os dilemas que ela envolve. Criar vida a partir da morte! Não seria incrível poder trazer de volta os entes queridos que já se foram? Mas aí nos questionamos também, temos esse direito? Fora todas as questões de vida após a morte, temos o direito de interferir na ordem natural das coisas? E caso trouxéssemos mesmo as pessoas de volta à vida, será que elas ainda seriam como eram antes de falecer? Será que voltaria “a mesma pessoa”?


O jovem Igor fica um pouco dividido entre os dilemas morais, e a possibilidade de fazer parte de uma descoberta que pode revolucionar a medicina. Seu mestre, Victor, não tem dúvidas quanto aos benefícios que seu projeto traria para a humanidade, mas ao longo do filme descobrimos que ele também tem uma motivação oculta.
99% cientista, mas aquele 1%...Igor Safadão!


O filme mescla ciência, drama e um pouco de humor. E uma certa tensão também, não tem como não se arrepiar quando Victor pronuncia a famosa frase “It's alive!” (que inclusive está no trailer do filme).


Na minha opinião, os atores foram muito bem. Mcvoy, já famoso por viver o Professor Xavier jovem dos últimos filmes dos X-men, está sensacional no papel de doutor louco. Ele realmente passa a ideia de ser um cara totalmente excêntrico. E o eterno Harry Potter subiu um pouco no meu conceito. Eu não conseguia ver ele como outra coisa se não um bruxinho, pois os papéis que ele havia feito até agora, fora da saga de J. K. Rowling, achei bem meia boca. Mas dessa vez ele convenceu, temos um Igor às vezes melancólico, às vezes alegre, empolgado com a ciência e ao mesmo tempo deslumbrado ao descobrir o amor. O cara mandou bem mesmo.


No cinema já houve algumas representações da história de Frankenstein, do clássico até as releituras, mas geralmente dando mais ênfase ao monstro. Essa deu maior destaque aos criadores, e achei isso bem legal, pois não fica aquela coisa de “vamos criar um monstro só por criar”. Saber o que motivou Victor e Igor é deveras interessante, e mais que isso, talvez até nos identificarmos com as motivações deles.
"It's alive!!!"



Curiosidades

  • A produção é uma versão contemporânea da famosa obra de Mary Shelley.

  • Os personagens saíram do romance gótico Frankenstein, or The Modern Prometheus, da escritora Mary Shelley, publicado em 1818. O personagem Igor, na verdade, nem existe na obra de Shelley. Ele foi apresentado no terror Frankenstein (1931) com o nome Fritz.

  • Paul McGuigan, que dirigiu quatro episódios da série Sherlock, reencontra os atores Mark Gatiss, Andrew Scott e Louise Brealey, que trabalharam com o cineasta na série sobre o famoso detetive.

  • O ator James McAvoy interpreta Victor Frankenstein e Daniel Radcliffe vive Igor.

  • A estreia da produção seria em janeiro de 2015 nos Estados Unidos e foi adiada para outubro do mesmo ano.

  • Frankenstein teve um orçamento de US$ 90 milhões.


Por hoje é isso pessoal, espero que confiram o filme com seus próprios olhos e tirem suas conclusões, e deixem seus comentários aqui, suas opiniões são muito importantes para nós!

Até a próxima!
Marcelo Brinker

segunda-feira, 25 de abril de 2016

CineKriativa: Pegando Fogo

Título original: Burnt  
Ano: 2015  
Dirigido por: John Wells  
Com : Bradley Cooper, Sienna Miller, Daniel Brühl mais  
Gênero: Drama  
Duração: 91 min.
Distribuidora: Paris Filmes
Classificação

O chefe de cozinha Adam Jones (Bradley Cooper) já foi um dos mais respeitados em Paris, mas o envolvimento com álcool e drogas fez com que sua carreira fosse ladeira abaixo. Após um período de isolamento em Nova Orleans, ele parte para Londres disposto a recomeçar a carreira e conquistar a sonhada terceira estrela no badalado guia Michelin de restaurantes. Para tanto ele conta com a ajuda de Tony (Daniel Brühl), que gerencia um restaurante na capital britânica, e recruta uma equipe de velhos conhecidos. 


Para quem não sabe gosto muito de assistir aqueles reality's que tenham a ver com comida, tipo Top Chef e Hells Kitchen, quando meu excelentíssimo noivo Marcelo comentou sobre esse filme fiquei bastante curiosa, não que ele seja sobre um reality, mas ele conta a história de um famoso chef tentando abrir seu restaurante e conseguir a terceira estrela tão cobiçadas nesse mundo da gastronomia.


Devo dizer primeiro que adoro esse ator, acho que os filmes que ele faz são realmente muito bons e ele não deixou nada a desejar em Pegando Fogo

Adam Jones é um renomado chefe de cozinha que se desvirtua na vida, sim e é assim que começa a história encontramos esse famoso homem em um mercado pesqueiro descascando ostras (se não me engano), isso porque, ele se deu uma pequena punição  por ter pisado na bola há alguns anos. Após pagar a sentença de descascar 1.000.000 de ostras (ou algo assim), ele decide voltar a vida.


Adam volta para Paris, decidido a retomar sua vida, abrir seu restaurante e conquistar a terceira estrela sonho de todo chefe, no renomado guia Michelin. Para isso, ele vai em busca do amigo Tony, que possui muito dinheiro e acaba o convencendo a abrir um restaurante para ele. A partir disso, ele recruta uma equipe com o que ele acha ser os melhores cozinheiros e treina os mesmos para alcançar esse sonho. Porém, o passado pode não estar tão longe assim e ele vai ter que pagar ainda algumas dívidas antes de seguir em frente.


Gostei muito do enredo do filme, e fiquei pensando em Gordon Ramsay a maioria do tempo, talvez por seu jeito turrão de ser

O filme tem cenas de drama que podem fazer os mais sensíveis chorar, mas também tem ação e romance. Infelizmente, esperava ver mais das receitas do famoso chefe o que não ocorreu.  Devo comentar que o final me surpreendeu foi do tipo "Eu não acredito nisso?", aquele tipo de cena que te faz sorver o ar com mais força sabe? 



Concluindo, recomendo a todos que gostam de filmes com temas dramáticos, cheios de história e muita tensão.

CURIOSIDADES
1. Originalmente, o filme era intitulado Chef. Posteriomente, o longa trocou seu título para Adam Jones e, por último, chegou ao título definitivo de Burnt.

2. Desde 2008 o longa tentava sair do papel.

3. David Fincher e Derek Cianfrance foram cotados para dirigir a produção.

4. Keanu Reeves foi sondado para ser o protagonista.

5. Bradley Cooper já viveu um chefe de cozinha na série Kitchen Confidential.

6. As filmagens foram realizadas em Londres e em Nova Orleans.

TRAILER

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Kriativa Games: Red Dead Redemption

E dae gente boa, aqui é o Marcelo novamente, e hoje é dia de falarmos de games! E eu fico mais faceiro que mosca em rolha de xarope!

Então, o escolhido da vez é o excelente Red Dead Redemption, da Rockstar Games. Opa, Rockstar? Eu acho que já ouvi esse nome antes. Claro que ouviu, jovem padawan, Rockstar Games é a responsável pela série Grand Theft Auto – GTA. O jogo em questão de que vou falar hoje geralmente é descrito como “Um gta de faroeste”. Na verdade é uma obra prima, um jogaço, mas sim, nos mesmos moldes de GTA.

Então, nesse faroeste a história é ambientada no ano 1911, quando o “Velho Oeste Americano Way of Life” já estava em decadência. E o nosso protagonista, John Marston, é um ex-criminoso (aliás, o nome do jogo deriva de um antecessor chamado Red Dead Revolver, que era um jogo apenas de tiro, em que John Marston era bandido na ativa ainda) que tenta levar uma vida pacata, até que um dia os homens do governo batem a sua porta e lhe pedem “gentilmente” que ele cace seus ex-companheiros de gangue, enquanto eles levam a família de Marston para dar uma “voltinha”. Só mais um dia como outro qualquer no velho oeste.

Bem vindos ao velho oeste!
Marston vai sozinho atrás de um de seus ex-comparsas, Bill Willianson, que recebe ele na base da bala, e as coisas não terminam bem para John. Ele acaba sendo recolhido na beira da estrada, semi-vivo, e acorda depois em uma fazenda estranha.

Aí que realmente começa nossa aventura. Como o jogo segue os padrões de GTA, as primeiras missões são mais para pegarmos a mecânica do jogo, os comandos e talz. Depois começam as missões reais, e aí que o jogo fica interessante.

O que esperar de um “gta de faroeste”? Temos desde missões de recolher o gado assustado durante uma tempestade, domar cavalos selvagens, até perseguir ladrões de banco, montar guarda durante a noite nas vilas, apartar brigas de bêbados. É super variado, e você se sente dentro de um filme de John Wayne. As vezes acontece aquela cena clássica de você estar cavalgando (uma das coisas mais prazerosas do jogo, pegar o cavalo e desbravar o mundão western!), e vê a frente uma carreta tombada na beira da estrada, e uma dama pedindo ajuda. Aí quando você se aproxima, pronto a fazer uma boa ação, saltam de trás da carreta quatro bandidos armados, atirando pra cima de você. Tá achando que o velho oeste é moleza é?

Emboscada à vista!
Nosso personagem também fará muito uso de suas habilidades de caça, e temos os mais variados animais: cobras, pássaros, coelhos, gambás, tatus, lobos, pumas e ursos! E você pode tirar a pele dos animais para vender, o que é, bem nojentinho, o jogo faz questão de mostrar um pouco da parte menos agradável de caçar.

E claro que temos também os clássicos cartazes de procurados, e você pode aceitar a missão de pegar algum fora da lei, vivo ou morto. Essas com certeza são algumas das missões mais perigosas. E claro, há os famosos duelos de saque de pistola, um dos pontos altos do jogo. Temos uma habilidade chamada “Dead Eye” que, quando ativada, deixa o jogo temporariamente em câmera lenta, o que permite ao protagonista fazer vários disparos de pistola em um curto espaço de tempo. Sabendo usar bem, você se torna um pistoleiro de mão cheia, daqueles que mata sete oponentes em um piscar de olhos! (sete é o meu recorde hehe).

E esse é o nosso herói! Não é bem um galã né, mas é o que temos para o momento!
Ao longo do jogo vamos conhecendo personagens chave, que nos passam tarefas, e que acabam por fazer parte da trama principal do jogo. Cada um deles possui uma personalidade bem característica. Temos o xerifão, o tranbiqueiro, o cowboy aposentado, a filha do fazendeiro, e até um coveiro que prefere os mortos aos vivos. Só figuraça.

Da parte mais técnica do jogo, não há o que reclamar. A jogabilidade é fluída, os comandos respondem bem, tanto a pé, quanto a cavalo. Exceto talvez pelo pulo do personagem, que é ridículo. Não tem outra descrição, só vendo pra acreditar como pode ser tão patética a habilidade de pulo de John Marston. Mas tudo bem, isso não influencia na experiência, o forte do jogo é a movimentação a cavalo e os tiroteios, pulos são quase inúteis aqui.

Os gráficos são um atrativo a parte. Eu joguei no Xbox 360, e posso dizer que esse game possui um dos gráficos mais belos do console, e não foi um dos últimos a ser lançado, o jogo é de 2010, mas fizeram um trabalho fantástico. As texturas, o modo como o cenário vai sendo revelado no horizonte enquanto você cavalga, os detalhes, tudo encanta. Dá pra comparar facilmente com a fotografia de um filme de Hollywood!

Ah, essas paisagens!
A trilha sonora é daquelas que dá o ambiente de velho oeste, não chama tanto a atenção, mas ajuda na hora de dar um clima, nas perseguições e tiroteios.

Enfim, se você curte GTA, mas já está um pouco enjoado da temática “gangsters e cidade grande”, Red Dead Redemption pode ser uma boa pedida, o jogo é bastante complexo e longo, dá para gastar umas boas horas lutando no velho oeste.

O jogo existe para o Xbox 360 e PS3.
Por hoje é só pessoal, espero que tenham curtido a dica, e até a próxima!
Marcelo Brinker

quarta-feira, 20 de abril de 2016

CineKriativa - No Coração do Mar

 Oie pessoas, tudo bem? Aqui quem escreve é o Marcelo, e hoje falaremos do filme “No Coração do Mar”. Já há algum tempo eu e a Raquel queríamos assisti-lo, pois ele é baseado no livro do autor Nathaniel Philbrick, que trata sobre a caça de baleias, e onde os bravos marujos encontram a temível Moby Dick!



O filme é meio que “contado” por um velho marinheiro, Thomas, mas a história se passou quando ele era um adolescente ainda (interpretado por Tom Holland, o novo Homem-Aranha!), em sua primeira viagem a bordo de um barco baleeiro. Mal sabia ele que estava para entrar numa barca furada!(péssimo trocadilho)


Temos também o experiente marujo Owen Chase, interpretado por Chris Hemsworth (sim meninas, é o “Thor”), que já participou de várias caças à baleias e anseia pela oportunidade de capitanear um barco pela primeira vez. Mas seus empregadores tem outros planos, e o colocam como primeiro imediato do novato capitão George Pollard (Benjamin Walker), que tem que provar à sua família, dona da companhia de barcos, que pode seguir o “family business”.
Thor e seu poderoso martelo Mjolnir! Não, pera...


Já dá pra imaginar que deu treta né? E pra ajudar ainda, o tal capitão de primeira viagem é um pouco arrogante, pois sente a desconfiança dos marinheiros, e quer se afirmar e mostrar que “sabe o que está fazendo”. Para isso, ele chega ao ponto de ordenar que entrem em uma tempestade só para dar o “batismo” aos marujos, para saberem que não estão ali pra brincadeira.


Passadas as dificuldades, eles encontram os primeiros cardumes de baleias, e aí começa realmente o ofício deles. Destaque nessa parte para alguns rituais meio nojentinhos no processo de extração do óleo de baleia.


E eis que surge o monstro. Ah vocês querem caçar minhas irmãzinhas baleias? Vou mostrar com quantas cabeçadas se destrói uma embarcação!”
Sai de baixo!!!


A Moby toca o terror legal. E os sobreviventes, vendo que a viagem foi arruinada resolvem voltar ao continente, mas podemos dizer que baleias são meio sentimentais e não perdoam com facilidade.


Muito bom o filme, passa bem a ideia do estilo de vida de uma profissão que hoje não é mais tão comum (se bem que no Japão ainda caçam baleias, mas não de maneira arcaica como no filme). Recomendo!!!
Paz e amor bixo!


Curiosidades

  • No Coração do Mar é baseado no livro homônimo de Nathaniel Philbrick. Ele se inspirou em fatos reais sobre os membros da tripulação que tenta escapar após o ataque da baleia. Nos 90 dias que ficaram à deriva, eles tiveram de apelar para o canibalismo, restando apenas 8 sobreviventes.

  • O filme é a segunda colaboração entre o diretor Ron Howard e o ator Chris Hemsworth, depois de Rush - No Limite da Emoção (2013).

  • Howard dirige o filme a partir do roteiro de Charles Leavitt, o mesmo de Diamante de Sangue (2007).

  • Os atores que interpretaram os sobreviventes, incluindo Chris Hemsworth, tiveram de fazer uma dieta de apenas 600 calorias para a fase do filme em os personagens passam fome.

  • O ator Tom Holland, o mesmo de O Impossível (2012), também está no elenco.


Por hoje é isso pessoas, espero que curtam a dica, e aproveitem para ver o “Thor” bem decadente nesse filme hehe! Abraços e até a próxima!
Marcelo Brinker

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Os Segredos de Colin Bridgerton de Julia Quinn

Editora: Arqueiro  
Coleção: Os Bridgertons  
Livro: 4  
Páginas: 336  
Edição: 1ª  
Ano: 2014  
Gênero: Romance Histórico
Classificação: 
Onde Comprar:

Há muitos anos Penelope Featherington frequenta a casa dos Bridgertons. E há muitos anos alimenta uma paixão secreta por Colin, irmão de sua melhor amiga e um dos solteiros mais encantadores e arredios de Londres.
Quando ele retorna de uma de suas longas viagens ao exterior, Penelope descobre seu maior segredo por acaso e chega à conclusão de que tudo o que pensava sobre seu objeto de desejo talvez não seja verdade.
Ele, por sua vez, também tem uma surpresa: Penelope se transformou, de uma jovem sem graça ignorada por toda a alta sociedade, numa mulher dona de um senso de humor afiado e de uma beleza incomum.
Ao deparar com tamanha mudança, Colin, que sempre a enxergara apenas como uma divertida companhia ocasional, começa a querer passar cada vez mais tempo a seu lado. Quando os dois trocam o primeiro beijo, ele não entende como nunca pôde ver o que sempre esteve bem à sua frente.
No entanto, quando fica sabendo que ela guarda um segredo ainda maior que o seu, precisa decidir se Penelope é sua maior ameaça ou a promessa de um final feliz.

Em "Os segredos de Colin Bridgerton", quarto livro da série Os Bridgertons, que já vendeu mais de 3,5 milhões de exemplares, Julia Quinn constrói uma linda história que prova que de uma longa amizade pode nascer o amor mais profundo.

Bom Dia Leitores,

Tenho o prazer de trazer mais uma resenha dessa série que sou completamente apaixonada, “Os Bridgertons”. Sou fã de romances de época e a Julia Quinn conseguiu criar uma história cativante e romântica, envolvendo essa espetacular família que são Os Bridgertons, e acompanhar a trajetória de cada um deles tem sido muito especial. Dessa vez temos o livro sobre Colin Bridgerton, um dos mais cobiçados solteiros da época, porém que tem um espírito aventureiro enorme e quase nunca pára em casa, para o horror de sua mãe que sonha em lhe arranjar uma esposa. Mas não é na visão de Colin que acompanhamos essa história, mas sim na de Penelope.

Penelope Featherington é uma amiga íntima da família Bridgerton, desde criança ela e Eloise são grandes amigas, o que fez com que ela visitasse com frequência a casa dessa família, e foi em uma dessas visitas quando ainda eram crianças que ela conhece Colin, que se torna seu primeiro e único amor. Penelope nutre essa paixão por anos pelo jovem moço, porém ele não parece corresponder e enxerga a moça como uma simples amiga. Ela alcança a idade de casar, porém com suas vestimentas e modos ela passa despercebida por todos, não recebendo nenhuma proposta. 

Resignada a virar uma solteirona Penelope segue a vida feliz, quando Colin volta a cidade para mais uma temporada de casamentos, onde a irmã de Penelope vai participar. Porém, dessa vez, parece que o jovem criou algum juízo e suas atitudes e pensamentos estão mais maduros. Assim, como Penelope, que de jovem sem graça acaba se tornando uma mulher com personalidade tremenda. Esse encontro com certeza promete e muito. A coisa fica mais interessante quando os dois começam a descobrir segredos um do outro, que acaba demostrando uma personalidade muito diferente do que eles pensavam um do outro.



MINHA OPINIÃO

No quarto livro da série Os Bridgertons vamos dar muitos suspiros. Adorei reencontrar essa família, que para mim já é muito especial e conhecer essa nova personagem, Penelope, que com certeza me surpreendeu muito. A escrita da Julia continua fluída e quando dei por mim já estava no final do livro querendo mais.

A história sim tem seus clichês românticos, garota inibida apaixonada pelo jovem galã que parece não perceber que ela existe, porém tem muito mais que isso e com o passar das folhas vamos torcendo para que essa aventura tenha um final feliz.

Um ponto extra e acho que extremamente importante desse livro é que somos levados a desvendar a identidade da Lady Whistledon, que para quem não se lembra é a infame pessoa que escreve as colunas da época dando seus pitacos sobre a sociedade. Eis que é lançado uma aposta e quem acertar a identidade dela ganhará uma bela bolada em dinheiro. Todos correm para descobrir quem poderia ser essa pessoa, e confesso que eu mesma fiz várias teorias e fiquei extremamente animada ao descobrir sua identidade. Só fiquei na dúvida agora se ainda vamos ter as colunas dela nos próximos livros, afinal a misteriosa identidade não haverá mais.

Nesse livro também reencontramos alguns personagens dos livros anteriores, o que achei super fofo, porque afinal amei eles. Vemos Daphne e Antony que agora tem filhas, sim imagine só minha surpresa!

Sobre os personagens, como comentei adorei como foram construídos. Penelope não deixou nada a desejar e apesar de ela ter algumas crises existenciais, são totalmente compreensíveis afinal quem não tem? Sobre Colin, confesso que algumas vezes achei ele meio “molenga” com a atitude de não saber o que quer da vida, porém foi interessante acompanhá-lo na trajetória dessa descoberta e coloco um extra aqui, querendo ler mais sobre as viagens que ele realizou.






Concluindo, esse livro continua com o mesmo sabor doce, para ser degustado em uma bela tarde(noite) e vai agradar as românticas de plantão.




SOBRE A AUTORA
Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons.
É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.



Série os Bridgertons:


Livro 4
Os Segredos de 
Colin Bridgenton
Livro 5
Para Sir Philip, 
Com amor

Livro 6
Um Beijo Inesquecível




sexta-feira, 15 de abril de 2016

The Walking Dead - O Caminho para Woodbury

Olá pessoal, tudo bem? Aqui quem escreve é o Marcelo, e o prato de hoje é o livro “The Walking Dead – O Caminho para Woodbury”, escrito por Robert Kirkman e Jay Bonansinga. 


Eu preciso confessar que sou fascinado por histórias de zumbis e todo esse universo pós-apocalíptico, sou fã de carteirinha da série The Walking Dead, e não podia deixar de conferir os livros. Esse é o segundo livro da série, e dá sequencia aos eventos do primeiro livro, onde conhecemos as origens do personagem conhecido como Governador. Quem acompanha a série sabe que Philip Blake é um vilão completo. Manipulador, frio e calculista, às vezes amável, às vezes sanguinário. Nesse segundo livro acompanhamos a história de alguns personagens em sua luta pela sobrevivência, até que eles chegam à Woodbury.


A história inicia em um acampamento de sobreviventes, onde conhecemos Lilly Caul e Josh Hamilton, que são dois dos protagonistas do livro. Eles se conheceram no próprio acampamento e, aos poucos, percebemos que pinta um clima entre eles, mas quem pode pensar em relacionamentos em meio ao apocalipse zumbi, não é mesmo?


Por conta de alguns desentendimentos com os líderes do acampamento, Josh acaba sendo expulso, e então Lilly toma sua decisão: resolve cair na estrada com Josh. Juntam-se a eles o bêbado Bob, e o casal de drogaditos Megan e Scott. Que time hein!!!


Como em qualquer apocalipse zumbi, a meta de vida é: achar um local seguro. E é isso que o singular grupo faz, e até que encontram, uma espécie de loja de departamentos abandonada, e que não foi saqueada ainda. O pote de ouro no fim do arco-íris dos mortos-vivos!!!
E aí parceiro, quer andar com a gente?


Óbvio que mais gente estaria de olho no tal pote de ouro! Logo um grupo armado chega ao local, e os ânimos quase se exaltam dos dois lados, mas o líder do tal grupo, Martinez, convida Lilly, Josh e os outros para se juntarem a eles, e conta que eles tem um local seguro, tentando se organizar como uma sociedade à moda antiga. Parece promissor.


Eles topam, e então chegam à Woodbury, onde conhecem Philip Blake, que gosta de ser chamado de Governador, pois ele que administra o local. As coisas lá funcionam com uma espécie de escambo, mercadorias por mercadorias, ou por serviços, mas o negócio é meio deturpado, e os novos moradores logo percebem que tem muita coisa errada. Quer umas peças no açougue? Me entregue esse seu revólver. Ah, não quer entregar? Beleza, aquela sua amiga bonitinha pode me fazer companhia à noite então!
Zumbi "bem passado" cuidando do livro!


Quem assiste à série já sabe mais ou menos como a banda toca em Woodbury, mas o interessante do livro é que mostra muito mais da personalidade do Governador. Conhecemos vários aspectos de seu comportamento, e quem leu o livro anterior, até dá pra entender um pouco como ele virou o que virou. (mas claro que não justifica né)


No fim das contas algumas pessoas resolvem bater de frente com o governador e arquitetam um plano para derrubá-lo do poder e instaurar uma nova direção em Woodbury. Será que dará certo? E se der, será que a população aceitará essa nova direção?



O livro traduz todo aquele clima de suspense como na série, até nos ataques zumbis você fica apreensivo, com medo de ler as linhas seguintes e descobrir que algum personagem querido virou ração de morto-vivo! Pra quem curte o universo TWD, ou apenas curte zumbis, é uma boa pedida!



Por hoje é isso pessoal, espero que não estejam lendo essa resenha antes de alguma refeição, pra não estragar o apetite, e até a próxima!
Marcelo Brinker